Translate this Page




ONLINE
4





Partilhe este Site...



Colabore com o Projeto

Cícero-Cultura...

Doe Qualquer Valor!

 

 

 

 

 


Pensando com Cícero...
Pensando com Cícero...

Olá Queridos,

 

  Amigos existem momentos em que nos deparamos com situações bem divergentes, e por vezes, acabamos tomando decisões erradas, imaturas, precipitadas, no qual, refletirá num processo de resultados bem negativos, e com dolorosos resquícios difíceis de se lidar.

     Defender uma ideia, nem sempre significa deter a verdade ou ser o "dono" dela. Simplesmente se trata de apenas um ponto de vista, e nada mais. E não nos dá o direito de tentar manipular as pessoas ou tentar persuadi-las.

     Deste modo, podemos verificar o quanto deixamos de aprender com os demais, e a enxergar outros panoramas e padrões de equilíbrio e constância ao derredor.

     Se faz necessário nos policiar em todos os nossos atos, constantemente, pois em meio a tantas informações e cobranças, oriundas de vários setores da nossa sociedade, esse descabelo diante de tantos acontecimentos, acaba por tornar nossa vivência muito mais complexa e vazia.

     Vazia de sentimentos, respeito, tolerância, educação, amor, paciência. Com isso, nos deparamos com ocasiões, em que, acabamos magoando muitas pessoas - que não merecem -, por acreditarmos não estarem agindo da maneira, que ao nosso ver, é a mais condizente.

     Ser uma pessoa com senso crítico é muito importante, e necessário, mas mais do que validar essa qualidade, devemos enaltecer as qualidades do próximo, e aprender com nossos erros.

     Nosso parâmetro deve ser sempre, o nosso espelho!

   Porquê visualizar os defeitos dos outros se torna fácil, complicado mesmo, é verificar e aceitar, que a raiz mais profunda das imperfeições que tanto nos incomoda, se trata de nós mesmos.

 

Personalidade

 

  Existem momentos que vivenciamos que nos fazem refletir o quanto nos equivocamos com nossas atitudes e pensamentos.

    Nos comportamos como indivíduos detentores de muito conhecimento e astúcia.

    Buscamos preencher nosso tempo com futilidades, além de nos furtamos muitas vezes de nossas responsabilidades.

   Nossa pressa "atropela" o que temos de mais valioso em nossas vidas, nossa liberdade. Acabamos presos em nosso "mundo" de esquisitices e devaneios. 

   A perplexidade deste contexto, ao qual estamos inseridos, nos leva a cativar meios e fins que não nos conduz a lugar algum, muito pelo contrário, acaba por sufocar toda a nossa existência - desejos, sonhos, amores, paz, felicidade...liberdade! 

     Nossa necessidade se faz de acolhermos com gestos nobres, os mais fecundos e prósperos sentimentos, e assim transportá-los de corpo e de mente em nossa plataforma de ideais.

 

 

 


 

 

José Cícero Marchezine

Graduando em Produção Industrial - Fatec